26/06/2012

Do que eu realmente quero lembrar...*



         
          Gosto de lembrar do tempo em que eu era a preferida, mas que não tinha privilégio algum com isto.
          Eu lembro que tinha que dividir absolutamente tudo com a Mima, todos os meus brinquedos preferidos.
          Que me escondia no banco de trás do carro toda vez que chegava na encosta do morro e tinha que desembarcar.
lembro ... e toda vez era a mesma ladainha.
           Lembro que cada um tinha um pé preferido, o direito era do vô e o esquerdo era da vó, e o pé do vô era sempre o que mais sofria com cócegas. (era tão bom!)
         Gosto de lembrar da música que meus pais ouviam depois do toque do despertador, era sempre a mesma.
          Vale a pena lembrar também de todas as brigas que tive com meus irmãos, e de todos os pedidos de desculpa, e dos abraços e das gargalhadas depois de cada briga besta, de todas as vezes que tivemos que rezar um do lado do outro pedindo perdão pela briga.
vale a pena lembrar também que não gosto de despedidas.
vale lembrar também, que a maioria das minhas escolhas foram felizes, e que raramente houve arrependimento.
        Vale realmente a pena lembrar, que eu sinto falta daquele abraço com cheirinho de vó, do aroma da comida da mãe, dos passos arrastados do pai, das brigas dos irmãos.
        Realmente vale a pena cada sorriso que eu deixei lá, e que tenho a certeza que sempre que voltar, vou encontrar.
        Vale a pena lembrar, que eu optei ser eu mesma.
        Na essência, uma alma sonhadora, que quer, que deseja,  que anseia pela verdade pura e dita.        
       Que não quer nada além do brilho nos olhos todos os dias, a euforia de um sorriso, e a emoção de uma lágrima.
       Eu gosto de lembrar que optei ser eu mesma, na mais ousada lição de vida que tive, sair do meu casulo e aprender a voar.
       Vale mais ainda lembrar, que eu vivo cada minuto dedicando tudo aos meus eternos amores, aqueles com que tive que dividir meus brinquedos, com quem eu aprendi a rezar, com aquele que arrasta os pés para caminhar, com aquela que faz a melhor carne de panela do mundo, e para aquele que me guia de lá onde o amor é infinito e para aquela que roga por mim todos os dias.
        Gosto e quero lembrar todos os dias, que o amor que vai é o mesmo que vem, em quantidade, intensidade e veracidade.
E devo lembrar, que basta sentir.



Carinhosamente,

Créditos
Texto: Gisa Dias
Foto: Gisa dias

Nenhum comentário: