31/07/2012

O mundo todo, todo mundo?!*



É estranho pensar no mundo todo, não?
Quem é todo mundo?
Penso, estive pensando, todo mundo caminhando na mesma direção freneticamente.
Sinto que todo mundo é carente, doente, deficiente.
Sim, todo mundo!
Ninguém mais a minha volta é normal.
Será que exite normal?
Exite certo?
Existe errado?
Todo mundo pensa, o mundo todo pensando, de um jeito, de outro, assim, assado... não exite certo, só o passado, o mal passado.
Aham, é assim, para o mundo não existe um comum.
Existe um ponto de partida, de onde todos saímos, e o resultado, ah!
Este depende do que tu quer, como tu quer, e o que tu faz acontecer.
A partícula pode ser energia ou matéria.
Pode ser os dois!
Pode porque tudo vai depender do trajeto feito para constatar o que ela é.
Sei lá não entendo de física, foi só um chute!
Ela vai ser oque quiser e fizer para ela ser.
Do mesmo jeito que a beleza esta nos olhos de quem vê.
Sou fã da relatividade, e ficaria horas e horas falando dela.
E a beleza estar nos olhos de quem  não seria relatividade?
Se achei errado, o que pode não ser errado porque para mim está certo, desculpe-me.
Mas se você pensou certo, o que pode não ser o certo, para mim é errado,  tente ver do meu angulo.
Somos tudo e somos nada.
Não conseguimos nos resumir, tão pouco nos sintetizar.
Somos uma constante sob outra constante, e assim seremos até o infinito que não existe e todo mundo acha que existe e está em algum lugar, que ninguém sabe onde que fica.
Uau, que circulo vicioso isso tudo não?

Queria que todo mundo, o mundo todo tivesse a oportunidade de conhecer todo mundo que eu vejo, que me vê por outro angulo.
Conheci um bando de malucos, que certamente acham que quem é maluca sou eu!!
Todo mundo deveria ver meu coração mole.
Todo mundo acha que sou uma rocha!
Não sou rocha não.
Sou como todo mundo que  acha errado, e que vive achando certo.

Não sei se fiz a coisa certa, saberemos somente no final, mas se não tentasse não saberia.
Quero ver dar certo, mas se for dar errado,  que seja o errado de outra pessoa. Porque como eu disse, o seu errado, pode ser o meu certo.
Para mim pode tudo dar errado, que somente uma coisa dê certo, e vai dar, eu tô no caminho certo.

A minha relatividade tem de dar certo.
Ele vai ficar certo,

Um beijo, com muito amor e carinho

Créditos:
Foto: Gisa Dias
Texto: Gisa Dias

19/07/2012

Doce loucura**


Espero o efeito dessa louca doidera passar... quero que tudo volte a ser louco como antes, mas não louco desse jeito, do jeito que esta hoje, quero doce do jeito que era...

Loucos todos somos, e desejamos ser loucos constantemente.

Pelo menos é isso que desejamos na flor da idade, no fervor da hora, na doce loucura da vida.
Desejamos profundamente ser taxados de loucos, porque os loucos é que são felizez, não é?

Louca estava eu no final da tarde, observando o sinal, abrir e fechar, estática, só pensando na vida.
E o sinal nem bola para mim.
Foi o instante mais terno da minha vida, foi o dia mais longo do ano... sempre é mais longo e torturante quando se trata do seu amor incondicional.
As 7 horas da manhã, um louco me liga.
Dizendo que o peito dói e que seus pés estão gelados.
Meu coração, frenético por natureza, pira, entra numa disritmia sem fim.
Fico de longe, com o coração na mão, na gartanta, sem saber oque fazer.
Parece que hoje foi o dia em que a terra parou.
O aconteceu com o meu louco herói?
Parece que meu porto seguro ficou sem noção, de tempo, de espaço, de razão.
Sento e espero a doidera passar.
Seria pedir de mais, que tudo não passase de um engano, que ele está em casa com o cachorros, caminhando no meio das laranjeiras, falando da vida, e me fazendo pedidos impossíveis?
Ah, aproveito para pedir também, ja que estou aqui, que ele volte um pouco mais louco de vontade de me proteger, de me cuidar, de nos amar.
POrque desse jeito, mesmo longe eu me sinto desprotegida.
Seu louco, sai de dentro desta e manda meu pai de volta?


Porque hoje eu vou ter que dormir com vontade de ver normal o meu amor maior.
Dormir com o coração doendo, doendo, sofrendo.

Ao meu louco querido, desejo minha mais louca saniedade...

Com amor,
sua filha.



16/07/2012

Da terminal a inicial**


A vida tem várias fases, e tu na maioria das vezes nem percebe, até percebe, que ela passa tão depressa, que a gente vai dar conta que ela foi, passou, voou quando ela chega na fase terminal.
Sim, naquela fase terminal, onde tu passa dar valor a tudo, absolutamente tudo.
Sente  vontade de tudo, quer tudo, deseja tudo,  e não pode nada, ou quase nada.
Vi nos olhos de alguém, em sua fase terminal, diagnosticada por algum especialista em vida e morte, a alegria de estar fazendo algo tão simples, tão diário, uma inscrição.
Vi esperança nos olhos de um estranho, vi fé nas palavras , vi o desejo de passar da fase terminal para a inicial em dois passos.
Senti dó, senti raiva da vida, senti angustia e senti raiva de mim.
Diariamente iniciamos fases e terminamos outras.
Mas a maior delas, a que vale mais bônus e, é absoluta,  é  a vida, o animo a vida.
Tenho todos os motivos do mundo para sorrir,  e se pudesse repartiria com esta pessoa, doaria mais da  metade da minha alegria e amor, e se pudesse vida que são auto regenerados.
Pelo simples fato de ter visto a esperança por completo nos olhos desta pessoa, mas a alegria de viver e o amor para ofertar pela metade naquele instante.
Quando a vontade de viver é maior do que a tua fase terminal, e empolgante como a inicial ,tu é merecedor de todos os sentimentos.
porque eu reclamo da vida?
em que fase eu estou?
Esta pessoa nunca irá ler este texto, tão pouco tomará conhecimento de sua existência, e menos ainda entenderá da minha vontade de viver e ver ela iniciar tudo novamente, como se saísse do ventre neste momento, pura e livre de qualquer mal.
Desejo vida, mesmo que curta, mesmo que longa, desejo a plenitude o quer que seja.



Com carinho, para quem fez meus olhos brilharem mais para a vida,




Créditos:
Foto: Sâmara Ancheta/ lagoa de Tramandaí
Texto: Gisa Dias

12/07/2012

Ser meio, metade, semeia?*


O ser pode ser muitas coisas, e a mais complexa e difícil de acontecer é ser ele mesmo.
O poder de ser o outro é absurdamente imenso sobre o eu de todos nós, mortais extremamente errantes e contra dizentes!
Vejo muito mais outros do que seres próprios.
A falta de consideração própria, é o mal do século, viver o alheio parece ser bem mais divertido, viver preso ao passado também, não entendo porque. Parece ser divertido esconder a realidade amarga do seu intimo.
Será que ser o outro, ou viver lembranças de outro é menos doloroso?
E quem quer a totalidade do ser, faz como?
Vidas mal vividas, amores mal resolvidos, conceitos próprios indefinidos, fotos mal reveladas,  acabam fazendo do ser uma espécie de lixeira humana, ambulante, transitante...
O ser lixo ambulante carrega consigo a vida toda, informações fora de época, de tempo, e que causam um transtorno externo e muito mais interno imensurável aos olhos de quem vê e ao coração de quem sente.
Sim, lembre-se, que existe do seu lado outro ser, meio cheio, meio disposto, meio chato, meio alegre, meio calado, meio meu humorado mas que a qualquer movimento seu suspeito, pode acabar se contrapondo, revendo, rebatendo, se debatendo, entendendo, absorvendo, enlouquecendo!
Assim, desfavorecendo o tal do sentimento e a tal da disposição de ser para você.
Porque quer totalidade, um "ser eu" inteiro, livre de contradições,contra indicações e contra pontos.
Oque semeia, um ser meio... semeia meio amor, meia vida, meios amigos, meias verdades?
Viver o presente com a mente e o coração pela metade quando a realidade é outra, geralmente não funciona, a logística sentimental fica meio confusa.
Sim, confusa, a minha e a sua. A dele e a nossa, de todo mundo.
Puxa, tudo meio? Até meio complicado?
Ruim é pensar que ao seu lado não existe um ser 100% inteiro, meio, metade da metade, metade da metade da metade, um ser que pode te oferecer bem menos do que você merece e quer, porque ficou preso, um pouco em cada momento mal vivido, em cada amor mal resolvido.

Deixa contar, ser no total, tudo aquilo que se pode ser é esplendoroso, ser realmente quem se quer e deseja ser é o bem mais precioso do ser próprio e dotado de sabedoria o suficiente para ser feliz e fazer alguém feliz.
Sem meias palavras, seja por inteiro.
Então, faça alguém feliz sendo você inteiro,sem cortes, mesmo que a pessoa que você vai fazer feliz com isto, seja você mesmo.
Ainda assim, vale a pena.
Ôh, se vale.

Tchau, vou ver se semeio o amor por inteiro, porque de metades meu balaio está cheio.

10/07/2012

Marias e Antônios do Prado...*





Um final de semana longe de toda correia da vida na capital foi o suficiente para mil constatações.
Mas destas mil, algumas eu conto... outras eu incentivo, algumas vamos descobrir juntos...
Foi lá no Prado, Antônio Prado, que eu senti algo que gostaria que todos pudessem sentir.
Sentir a lágrima escorrer de emoção, por se redescobrir e descobrir uma realidade totalmente possível e linda...
uma vontade grande de chorar vendo tanta beleza reunida.
Confesso que pensei em me sentir arrependida por ter ido tão longe, por estar tão longe de tudo, afastada de tudo que eu ACHAVA que fosse essêncial.

Conhecer um batalhão de jovens como eu, mais novos do que eu,  muitos ou a maioria deles, de lá onde literalmente o vento faz a curva, onde Deus certamente perdeu a noção da beleza, eu fiz a minha 1ª constatação: viver na alegria de ser e na simplicidade é possível.

Porque em poucos minutos eu vi, que não é necessário muito para ser feliz naquele local.
O contentamento ao tão pouco oferecido era lindo de ver.
Ao tão pouco que eu pensava ser pouco, na minha inocente ignorância.
A forma carinhosa de acolher pessoas estranhas, e trocar ideias como se conhecessem a anos me fascinou, acontece aqui também, mas lá foi diferente, parecia mais sincero e pura a vontade de se importar com os visitantes, nada superficial, tudo muito aconchegante.
A beleza das ruas, os casarões antigos, tudo conspira e inspira felicidade naquele lugarzinho que parece ser no meio do NADA.
No meio do nada, estas pessoas, vivem intensamente e recebem intensamente os que de fora vem desbravar suas terras.
Desbravamos terras, descobrimos quedas d'água, lagos, riachos, tudo novo e lindo aos "nossos olhos" e rotineiro e corriqueiro para os nativos.
Descobri que até mesmo a chuva fina de sábado sobre o fogo da fogueira era motivo de exaltação, encantada estava e ficava apreciando a intensidade do fogo em plena fina garoa, que durou até o amanhecer do dia seguinte.
O fogo e o calor humano são inexplicáveis.
No meio do nada, dormimos todos juntos, sob o calor da lareira.
Sob os olhares atentos dos anfitriões adormecemos e amanhecemos arrancando risos de seus olhares.
Sim, porque sorrir com os olhos parece tão mais belo, tão mais sincero, eu prefiro...
Impressionada voltei eu do meio do nada, com tanta beleza impregnada na mente, com vontade de ficar e nunca mais voltar e fugir de lá ao mesmo tempo.
Porque machuca saber que para ser feliz não é preciso tanto, e a gente vive numa constante busca, que parece nada.
Felizes são as Marias e os Antonios do Prado, que tem tudo no nada e vivem a felicidade plena da simplicidade que nos falta.

Obrigada, foi tudo simplesmente lindo e perfeito.
com carinho,
Gisa


Créditos:
texto: Gisa Dias
Fotos: Camila Braga

02/07/2012

Me espera?*


Somos uma constante espera.
É, somos a semente da espera, desde o momento incial da nossa existência, quando nosso ser passa a fazer diferença em outro ser, iniciamos nossa espera.
Esperamos anciosamente pela maioridade, porque aparentemente ela chegará recheada de liberdade.
Esperamos nunca nos frustrar, mas quase sempre acabamos esperando a frustração acabar, porque faz parte dar errado também.
Do mesmo modo que esperamos aquele abraço, esperamos aquela notícia boa, aquela amiga, o broto, a mãe, a vó, o pai, o irmão.
sim, também esperamos o pior, chato, mas esperamos.
Puxa, passamos a vida toda esperando?
Sim, passamos a vida toda esperando, a hora certa, o momento exato, a música, o telefone tocar, a pessoa certa chegar.
Passamos a vida toda, numa constante espera, que parece ser absolutamente normal.
Mas,será que é normal esperar tanto?
Me espera?
Você me esperaria?
Não!
Normal é viver sem esperar.
É acontecer sem tempo, sem hora, sem espera.
Peraí, não posso esperar?
Pode, espera, senta, levanta caminha.
Só não fica esperando de mais, porque a vida não para,eu não paro, tu não para, não existe pausa.
A água do rio não para, o tempo não cessa.
Não deposite a esperança na espera, pode nunca chegar, nunca acontecer.

Espera só o que for realmente necessário a sua existencia, sem mais, viva mais, com menos espera.



Créditos
Texto: Gisa Dias
Foto: Amanda Closs/ Rio Taquari - Arroio do Meio/RS


01/07/2012

Patologia temporal.*


Existem épocas em nossas vidas que nem as melhores das psicologias e psiquiatrias explicam, é algo mágico, integro, puro... momentos em que lembramos de tudo o que fomos, de como vivíamos, e dos nossos sonhos que por incrível que pareça até hoje não foram conquistados. Talvez não foram por hoje parecerem de certa forma insignificantes, bobos, tolos ou então porque até hoje sentimos receio, medo, frio na barriga só de pensar. Incrível, mas as sensações não mudam ao longo do tempo, continuamos agindo igual, pensando igual, idealizando da mesma forma. Provavelmente hoje, as únicas coisas que mudaram foram o modo de nos posicionarmos, de dialogarmos, de enxergarmos as coisas como realmente são. Talvez hoj:e, não acreditemos tanto nas pessoas como acreditávamos anteriormente, não acreditamos no amor, ás vezes no sonho, e nos momentos de depressão perdemos até a vontade de viver. Mas tem horas que tudo volta e aí lembramos até do primeiro amor que tivemos, do primeiro sonho de profissão, primeiro beijo, primeiro brinquedo e parece que tudo volta a tomar as cores de um belo arco ires.


créditos:
Texto: Ohara Reis
Título: Gisa Dias
Foto: Gisa Dias/Arroio do Meio - RS