02/07/2012

Me espera?*


Somos uma constante espera.
É, somos a semente da espera, desde o momento incial da nossa existência, quando nosso ser passa a fazer diferença em outro ser, iniciamos nossa espera.
Esperamos anciosamente pela maioridade, porque aparentemente ela chegará recheada de liberdade.
Esperamos nunca nos frustrar, mas quase sempre acabamos esperando a frustração acabar, porque faz parte dar errado também.
Do mesmo modo que esperamos aquele abraço, esperamos aquela notícia boa, aquela amiga, o broto, a mãe, a vó, o pai, o irmão.
sim, também esperamos o pior, chato, mas esperamos.
Puxa, passamos a vida toda esperando?
Sim, passamos a vida toda esperando, a hora certa, o momento exato, a música, o telefone tocar, a pessoa certa chegar.
Passamos a vida toda, numa constante espera, que parece ser absolutamente normal.
Mas,será que é normal esperar tanto?
Me espera?
Você me esperaria?
Não!
Normal é viver sem esperar.
É acontecer sem tempo, sem hora, sem espera.
Peraí, não posso esperar?
Pode, espera, senta, levanta caminha.
Só não fica esperando de mais, porque a vida não para,eu não paro, tu não para, não existe pausa.
A água do rio não para, o tempo não cessa.
Não deposite a esperança na espera, pode nunca chegar, nunca acontecer.

Espera só o que for realmente necessário a sua existencia, sem mais, viva mais, com menos espera.



Créditos
Texto: Gisa Dias
Foto: Amanda Closs/ Rio Taquari - Arroio do Meio/RS


4 comentários:

Dscorrea disse...

belo texto! Parabéns.
Ninguém espera mais ninguém e está todo mundo preso, esperando.

Gisa Dias* disse...

Então Diogo, é um fardo que carregamos sem total necessidade.
Obrigada, que bom que gostaste!

Abração

Dea disse...

Linda foto e o texto tb!!!
beijos

Evelyn Oliveira disse...

sumi mas voltei, adorei o texto Gisa...

Uma ótima semana pra ti!

@evelyncmo
/cupcakerock.blogspot.com