26/08/2012

Uma troca de papéis*



 De onde vem todos os sonhos?
Tanta vontade pela vida, tanta disposição?
Do meu lado, caminhando junto, sinto além, disto, uma força, que vibra e que protege sem parar.
Confesso que sem ela, já teria desistido, diacho, como puder chegar a pensar em desistir?
Como pude, pensar assim, se o que eu mais quis foi que um certo alguém não desistisse de tudo.
Provei do meu próprio amor, vi o quanto ele vai além, além do que eu nem imagina.
Não estou aqui para falar de amores, de amores e paixões fúteis.
Quero falar do amor eterno, da dedicação ao amor, da dedicação total a paixão.
Não pensei que fosse, eu, capaz de tanto esmero, de tanta paciência e dedicação.
Surpreendi-me!
Se passei no teste, ah, só Deus sabe.
Fui fiel, companheira.
Fui além das minhas capacidades.
Dediquei dias, e continuo a dedicar, a cuidar da pessoa que como diz a canção " De todo amor que eu tenho, metade foi ele quem me deu, salvando minh'alma da vida
  sorrindo e fazendo o meu eu...
Quero saber se daqui, de onde sai, todos os meus sonhos, todo meu querer, pode ter um espacinho a mais para o acreditar?!
Quando, no momento em que eu estava quase desenganada, a vida, veio me mostrar que, opa, ela pode mudar os planos.
Eu mesma, tive que abrir mão de alguns planos, de algumas festas, de alguns caprichos por esses dias.
Tive meus planos modificados, e se quer tive tempo de reclamar.
Ô meu, para tudo que eu quero descer!
Nada!
Desci nada!Tô aqui.
 Fui naquele dito: Fé em Deus e pé na tábua.
E não é que deu certo?

Eu agarrei com unhas e dentes a oportunidade que a vida me deu, e mostrei que eu fui fiel e companheira na hora em que mais tive que ser, sem querer e saber porque.

Deixei de ser uma rocha.

Se a vida nos coloca em cada uma?
Não sei, acho e prefiro mais, dizer, que nós é quem colocamos ela de um jeito meio enlouquente na nossa frequência.


Vou te dizer, não foi fácil, mas se pudesse e tivesse que fazer, estaria ali, paradinha, de abraços aberto para te receber de novo.
Te abraçar, te deitar no meu colo, te consolar, e fazer a troca de papéis.
Por ti, deixo de ser filha, e passo a ser seu pai.
Sempre, com muito amor e carinho







Créditos:
Texto: Gisa Dias