29/10/2012

Concordei.*

 
Disse-me que é tão ruim querer algo que nunca se teve.
Concordei.
Ela chegou desejar que desse tudo errado no que ele havia dito, para poder sugar ele para junto de si.
Nem se quer viu, nem se quer tocou, apenas ouviu.
A rouquidão da voz, a naturalidade com que as palavras fluíam, a naturalidade com que ela se envolvia com o som da sua voz.
Eu disse para ela que era loucura, nem  deu me ouvidos.
Eu reforcei, é loucura. Fuja, pode ser mais uma cilada.
Ela apenas confirmou, e disse, quero seguir em frente.
Se não for de loucuras, aventuras, do que é feito o mundo então?
Deixei.
Vai, se joga, se atira, tenta, conquista, seduz, dedica-se, apaixona-se.
Se não der, depois volta, e  tenta a cura,  inicia a cicatrização.
Pois a alma, é feita de marcas, profundas, e eu estarei aqui para me cuidar.
 
Não sei se ela me deu ouvidos, mas eu senti euforia, desejo e sedução.

Nenhum comentário: