18/10/2012

Em tempos de Solidão.*

 
O mal do século é a solidão.
É, isso mesmo. Já dizia o poeta.
Conheço pessoas que mesmo cercadas de milhares de amigos, ou o  que quer que seja, é solitário.
Sinto muito se você se considera uma pessoa solitária.
Involuntáriamente, muitas pessoas vão se encaixar neste perfil.
não vão admitir, mas lá no fundo, sabem que são assim. Só.
Não, mas não é simples e fácil.
Ninguém é solitário porque quer, acontece.
Um acontecimento quase que natural.
Começa com uma simples afastamento, e se torna um transtorno com o passar do tempo.
Triste, muito triste. Uma tristeza imensurável. Sim, e só sentimos quando estamos só, sem nem mesmo a gente mesmo por perto.
Absoluta solidão e abandono do seu ser sobre sua própria pessoa.
Desliga-se do corpo, da mente, e se torna solitário absoluto.
Entra sol, chuva, trocam as estações, mas a solidão permanece, mais firme do que forte.
Pois ninguém consegue ser forte diante de um monstro.
Não sente mais nada, não quer mais nada.
Quer somente a solidão.
Mas é tanta contradição que não se sabe ao certo o que é desejo, oque é distração.
 Solidão é caso sério.
Solidão pode levar a alma de uma pessoa a lama, faz o corpo definhar.
Mas a solidão exige mais do que mil pessoas a sua volta, exige esforço, graça, vontade de conviver.
E conviver é uma arte, sim, pouco a pouco as pessoas vão dominando.
Pouco a pouco o mundo vai deixando de ser solitário.
Com o tempo,um abraço, um laço, um traço.
Com o tempo, dois.
 
 
Carinhosamente,para todos os solitários

 

Nenhum comentário: