20/12/2012

Vamos pasteurizar 2013?



Que ano.
Quanta coisa.
Quantos encontros e desencontros.
Quantas chegadas e partidas.
Um ano para ficar na memória, sem cortes. Tá bom, alguns cortes, sempre se pode cortar alguma coisa... ( porque sempre tem alguma coisa que né... então).
Um ano em que fui da sanidade à loucura em dois tempos.
Estive à dois passos do paraíso, mas fui ao inferno também.
Conheci o lado mais egocêntrico de alguns,  enfim.
Firmei laços com quem realmente importa.
Abri mão de gente prepotente ao meu lado.
Fui mãe, pai, avó, tia, fui mil em uma só.
Tentei ser o melhor que pude, se falhei em algum momento, não importa, no final de tudo certo.
Senti frio, passei muito calor, senti muita sede, senti fome.
Sentei, chorei, ri de tudo isso depois.
Sai com as amigas, bebi, afoguei as mágoas, comemorei, vibre, torci (Gremista, um tanto fervorosa)!
Em algum momento deste imenso 2012 eu parei e pensei: - Nossa 2013, BA, está aí! E o que eu quero dele? O que eu espero dele?
Decidi levar comigo só o que realmente vale a pena.
Não vou fazer nada que eu não sinta prazer e desejo.
Não vou gostar de quem eu não sentir vontade de gostar.
Não vou cuidar o que falar.
Não vou cuidar como agir.
Vou deixar acontecer.
Vou ser como sempre, mais eu.
Vou deixar os 30 anos chegar, e fazer de mim o que preciso for.
Quero poder ter meus acessos de fúria, mau humor, tristeza, sem ser perturbada, afinal levanta a mão que é 100% bom, feliz, delicado blablablá.
Quero um ano intenso, mais do que este  que está se indo, bem mais.
Mais de tudo, mais em tudo.
Quero mais dos outros e bem mais de mim.
Desejo que todos abram seus corações, livrem-se das impurezas, varam as incertezas, e sejam verdadeiramente verdadeiros.
Autênticos.
Por que gosto de pessoas autenticas.
Porque gosto de pessoas com personalidade própria, fortes, que se arriscam, que arriscam tudo inclusive, e que tem como eu, sempre a certeza de que tudo sempre dará certo no final.
Vamos pasteurizar 2013?


 Forte abraço, e até lá...