26/04/2013

Simples assim...*


 De cara eu vou te odiar.
E com todas as minhas forças, fortemente vou te detestar, como faço com todas as pessoas que conheço.
É mais forte do que eu.
Um vicio do meu inconsciente.
É como se eu tivesse que primeiramente odiar, para depois amar.
Foi e é assim com a maioria das pessoas.
Primeiro eu odeio, em seguida amo.
Não necessariamente você vai ficar sabendo que te odiei ou estou odiando.
Chego num ponto de nem mesmo conseguir ouvir a voz da pessoa.
Passo a ser indiferente em um nível insuportável.
Confesso, é um umbral.
É como se fosse uma provação, se você resistir esta fase de ódio, passa para a próxima fase.
Que é a fase do silêncio.
Aquela em que estaremos provavelmente no mesmo ambiente, eu sem ódio, você querendo conversar, e eu no meu silêncio absoluto.
Sim, porque eu acredito que bons amigos, bons companheiros, são aqueles que você pode ficar horas e horas um do lado do outro sem ter que trocar uma única palavra, pois o simples fato da companhia é o suficiente.
Se você resistir ao meu ódio mortal inicial, ao meu silêncio, provavelmente saberá conduzir bem uma amizade insana onde eu darei o meu melhor como amiga, te farei perder a noção com o riso, irei chorar horas e horas no teu ombro amigo. 
Saberá me aconselhar, e aguentará ouvir horas a fio, mas horas a fio mesmo meus lamentos, aconselhará sabia mente sobre minhas frustrações amorosas, e no fim irá me convidar para beber, ficar de porre, brigar comigo, me odiar, ficar em silêncio, e fortalecer a nossa amizade.
 Mas que fique bem claro, que se você resolver tirar o copo do drink das minhas mãos, vou te odiar, e mais espraguejar por horas a fio.

A partir de agora, já te odeio sem fim...
 



19/04/2013

Última consulta...*



Uma consulta é  suficiente  para tratar dos males que não possuo.
Na verdade serei breve, franca e muito objetiva.
Quero uma bicicleta.
Poder andar na beira do rio, e sentir aquela coisa boa que só andando de bicicleta agente sente, como se tivesse 7 anos novamente.
Preciso de um cão, ou um gato, ou os dois.
Preciso ter com quem conversar, preciso de seres vivos perto que me ouçam e não digam nada, apenas pulem  em minhas pernas e peçam cafuné.
Quero também um bebê.
Quero ter alguém que tenha algumas das minhas características, quero sentir o que um dia sentiram por mim, quero ter a preocupação que um dia tiveram comigo, um amor incondicional.
Quero um grande amor.
Que cuide de mim e de quem eu possa cuidar também.
Um desses de tirar o folego, intenso, clássico, brega, clichê, bem clichê, porque só assim será emocionante.
Clichê, não esqueça.

Veja bem, não peço muito, o básico da cesta básica da felicidade humana.
Então, Dr. Destino, trate de colocar tudo nos eixos, não deixar nada fora do prontuário.
Desempenhe bem a sua função.
Cumpra o seu papel.
Foste muito bem recomendado.
Não quero Dr. Destino, ter que chamar atenção.


Segue teu rumo, mesmo que não tenha um, segue como se estivesse certo de tudo, como se o destino fosse certo.
Mesmo incerto, em algum lugar, vai chegar.



05/04/2013

se tu leu e não entendeu, imagina eu?!*

 
o olho no olho, é uma coisa  melhor do que qualquer outra coisa, que eu não sei o que precisamente agora.
e para ser bem sincera, nem procurei sensação alguma pra fazer analogia a esta qualquer outra coisa.
consegue entender?
é como não precisar falar nada, apenas ficar olhando no fundo do teu olho.
 é ...
um prazeroso deleite, 
só que, quando eu me perco na intimidação do olhar alheio e finjo total controle, disfarço, tento, mas já prevendo que não adianta tentar disfarçar,
me entrego facilmente,
meu olhar desastrado me entrega e minha face tola,cora e condena.
quando tudo deveria estar a meu favor, vai contra e me entrega. me entrego.
que desatino a minha falta de auto controle.
quanta coisa neste olhar causa este descontrole...
eu não me importo, alguém se importa?
 
e, se não fosse um sonho eu até acreditaria.
 
eu cheguei em casa, coloquei meu óculos e achei tudo no lugar.
 
se tu leu e não entendeu, imagina eu?!
 

01/04/2013

sem título...*



Seja como for, demais ou aos poucos.
Entra e decifra.
Não exita.
Bagunce tudo, como o vento que bagunça o meu cabelo.

Saboroso enigma.